domingo, 28 de novembro de 2010

Take a moment...

Star Streams of NGC 4216

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Há oxigénio em Reia, uma das luas de Saturno

Há oxigénio na atmosfera de Reia, uma das luas de Saturno, detectou a sonda Cassini da NASA, que está a estudar o sistema de Saturno. É a primeira vez que este gás, chave da vida na Terra, é detectado directamente na atmosfera de outro planeta.
Se há oxigénio, faltará outro componente essencial: água no estado líquido: “Todos os dados da Cassini indicam que Reia é demasiado fria e desprovida de água líquida, necessária para que exista vida tal como a conhecemos”, diz Ben Teolis, do Southwest Research Institute, o primeiro autor do trabalho, citado pela agência espacial norte-americana. Ler o resto da notícia. Retirado do Público, 26 de Novembro de 2010.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Experiências no CERN indicam que o Universo começou como um líquido


No acelerador de partículas do CERN já começaram a ser produzidos mini-Big Bangs, fazendo colidir núcleos atómicos maciços de chumbo, acelerados até velocidades muito próximas da da luz. Estas experiências, que libertam enormes quantidades de energia, permitem já reforçar uma teoria que os físicos têm tentado provar experimentalmente na última década: que, nos seus primeiros milionésimos de segundo, o Universo era líquido.
Foi no início do mês que os cientistas começaram a produzir no LHC, o acelerador de partículas instalado num túnel circular enterrado a mais de 100 metros de profundidade sob a fronteira franco-suíça, no Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), estes Big Bangs em miniatura. O que na verdade se produz são densas bolas energéticas com as colisões dos núcleos de chumbo acelerados, que atingem temperaturas de dez biliões (milhões de milhões) de graus Celsius.
A esta temperatura incrível, muito maior do que o interior do Sol, os núcleos atómicos de chumbo fundem-se, misturando os seus constituintes mais básicos: os quarks, que são os tijolos fundamentais da matéria, e os gluões, as partículas que mediam as forças entre quarks. Ler o resto da notícia. Retirado do Público, 24 de Novembro de 2010.

Timelapse of Aurora Borealis over Tromsø, Norway.

Aurora Borealis timelapse HD - Tromsø 2010 from Tor Even Mathisen on Vimeo.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Descoberto um planeta que veio de outra galáxia

Planetas fora do nosso sistema solar já quase (e o quase é importante) não são novidade, pois já se conhecem perto de 500. Mas agora foi detectado o primeiro que vem de outra galáxia e foi aprisionado na Via Láctea com a sua Estrela, num processo de canibalismo galáctico.
Este exoplaneta que é também exogaláctico, denominado HIP 13044, tem 1,25 vezes a massa de Júpiter (é um gigante gasoso) e está em órbita de uma estrela longínqua em fim de vida, que fica à distância de 2200 anos-luz (um ano-luz equivale a 9460 milhares de milhões de quilómetros) da Terra. Está num grupo de estrelas que pertencia a uma galáxia anã que, há seis a nove mil milhões de anos, foi devorada pela nossa Via Láctea.

Este planeta, dizem os cientistas do Observatório Europeu do Sul (ESO) que relatam a sua descoberta num artigo publicado hoje online na revista “Science”, está muito próximo da sua Estrela: no ponto mais próximo da sua órbita, passa apenas a um décimo da distância que separa a Terra do Sol. Completa uma volta à sua estrela em apenas 16,2 dias.

Foi detectado usando os instrumentos do Observatório de La Silla do ESO, no Chile, através dos pequenos efeitos gravitacionais que exerce sobre a estrela. Ler o resto da notícia. Retirado do Público, 18 de Novembro de 2010.

Let´s google it

Let´s google it

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Home from Above

terça-feira, 9 de novembro de 2010

NGC 4452: An Extremely Thin Galaxy

Acelerador de partículas gera um 'mini-Big Bang'


Investigadores decidiram colidir iões em vez de protões e a mudança deu resultado. Foram geradas temperaturas um milhão de vezes superiores à do núcleo do Sol

O Grande Colisionador de Hadrões (LHC) conseguiu recriar, na terça-feira, um "mini-Big Bang". A conquista foi conseguida com a mudança da "receita" que vinha a ser usada: em vez de colidirem protões, os cientistas do CERN (Agência Europeia de Investigação Nuclear, em português) resolveram usar iões e conseguiram recriam uma versão "mini" do início do universo. Isto é, "mini" mas a gerar temperaturas um milhão de vezes superiores à do Sol.

A experiência ocorreu no túnel circular subterrâneo de 27 quilómetros de comprimento que existe na fronteira entre a França e a Suíça, perto de Genebra, onde está alojado o LHC. Até agora o maior acelerador de partículas do mundo tinha vindo a colidir protões, num esforço para desvendar os mistérios da formação do universo. Ler o resto da notícia. (Retirado do DN, 9 de Novembro de 2010)

sábado, 6 de novembro de 2010

Comet Hartley 2 Flyby