domingo, 9 de maio de 2010

Herschel revela o lado desconhecido do nascimento de uma estrela

Os primeiros resultados científicos do observatório espacial de infravermelhos da ESA, Herschel, revelam detalhes escondidos da formação das estrelas. As novas imagens mostram milhares de galáxias distantes a formar estrelas furiosamente e belíssimas nuvens de formação de estrelas, espalhadas ao longo da Via Láctea. Uma imagem chega mesmo a captar o ‘impossível’, uma estrela no processo da sua formação.

Apresentados hoje, durante um importante simpósio científico, a decorrer na Agência Espacial Europeia, os resultados desafiam ideias antigas relacionadas com o nascimento das estrelas e abrem novos caminhos à investigação futura.

As observações do Herschel, da nuvem de formação de estrelas RCW 120, revelou uma estrela em estado embrionário, que irá tornar-se, ao que parece, numa das maiores e mais brilhantes estrelas na nossa galáxia, nas próximas centenas de milhares de anos. Nesta fase já tem oito a dez vezes a massa do Sol e está rodeada de gás e poeira, com cerca de duas mil massas solares, que podem vir a alimentá-la.

«Esta estrela só poderá crescer», diz Annie Zavagno, do Laboratoire d’Astrophysique de Marseille. Estrelas desta dimensão são raras e duram pouco. Apanhar uma delas durante a sua formação é uma oportunidade de ouro, para resolver um paradoxo de longa data na astronomia. «De acordo com o entendimento actual, não deveria formar-se estrelas com mais de oito massas solares», diz Zavagno. Ler o resto da notícia.

Sem comentários: