quarta-feira, 29 de abril de 2009

Detectado o objecto mais longínquo do Universo através de explosão de raios gama

Há mais de 13 mil milhões de anos, deu-se uma explosão de raios gama que só na quinta-feira passada foi observada por vários telescópios na Terra. Só durou dez segundos, mas foi o suficiente para localizar o mais afastado objecto do Universo.
Na manhã de 23 de Abril, o telescópio espacial Swift observou uma explosão na constelação de Leão que rapidamente foi seguida também pelos telescópios do Observatório Europeu do Sul (ESO) no Chile, o ESO/MPG e o Very Large Telescope (VLT). Através da leitura de infravermelhos, o VLT conseguiu calcular a distância e a idade do objecto que produziu a explosão, devido ao fenómeno chamado desvio para o vermelho.
“Descobrimos que a luz vinda da explosão foi consideravelmente esticada, ou desviada para o vermelho, pela expansão do Universo”, disse em comunicado Nial Tanvir, o líder da equipa que fez as observações do VLT. “Com um desvio para o vermelho de 8,2, esta é a explosão de raios gama mais remota que alguma vez foi detectada, e também o objecto mais distante alguma vez descoberto.”
A nova explosão, denominada GRB 090423, aconteceu 600 milhões de anos depois do início do Universo, com o Big Bang — há 13.700 milhões de anos. As primeiras estrelas estavam a formar-se e o tamanho do espaço seria uma pequena parte do que é agora. Ler o resto da notícia. (Retirado do Jornal Público, 28 de Abril de 2009)

Sem comentários: