quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Física das altas energias no combate ao cancro

Usar antimatéria para detectar tumores pode parecer ficção científica. Mas é exactamente uma das coisas que o novo Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde vai fazer.
Este centro de investigação da Universidade de Coimbra, instalado junto ao novo pólo hospitalar, prepara um ambicioso programa de pesquisa que inclui a detecção de tumores através da tomografia por emissão de positrões (PET).
Como explica o seu director, o investigador médico Adriano Rodrigues, trata-se do único centro de investigação público português a possuir um acelerador circular de partículas (ciclotrão) dedicado à investigação biomédica (existe outro ciclotrão pertencente a um hospital privado do Porto, o da Boavista).
"É como o acelerador do CERN (Laboratório Europeu de Física das Partículas) em ponto pequeno", explica, enquanto nos conduz ao andar inferior pelas portas blindadas que rodeiam o ciclotrão e cujo objectivo é conter a radiação emitida. Mostra-nos um molho de chaves, organizado de tal forma que, "se alguém lá tivesse ficado fechado dentro, seria impossível pôr o aparelho em funcionamento". Ler o resto da notícia.
(Retirado do jornal Expresso, 17 de Fevereiro de 2009)

Sem comentários: